Entrevista: “Essa turnê é uma espécie de despedida”, diz Jared sobre a Monolith Tour

Em junho de 2019, antes de iniciar a continuação da Monolith Tour pela Europa, Jared concedeu uma entrevista para a Vogue Russa o qual ele falou sobre seu icônico outfit no MET Gala 2019 e o final da Monolith Tour. Confira em a tradução em português feita pela nossa equipe:

Em 17 de julho, a banda Thirty Seconds To Mars irá se apresentar em Kiev no festival UPark. Um mês antes do show, Jared Leto, disse à vogue russa como ele chocou a indústria da moda, a próxima turnê europeia e a empolgação de retornar à Ucrânia.

A entrevista com Jared começou com o tema que mais me interessou: o preguiçoso não escreveu que o ator chegou ao baile do Met Gala com a própria cabeça. Talvez, para os fãs experientes da Gucci, essa aparição não fosse tão chocante quanto para o resto do mundo. No entanto, este passo foi uma interpretação muito inesperada da estética do campo, e Leto habilmente trouxe o tema para um nível totalmente novo.

Jared há muito tempo caiu na teia da estética fantasmagórica de Michele e frequentemente segue as fantasias do designer. Mas manter uma cópia exata de sua própria cabeça foi a primeira vez dele. “Claro, foi incrivelmente estranho. Mas a Gucci fez isso para o seu show, e me pareceu que seria muito divertido fazer isso como parte do Met Gala”, diz Leto.

Jared está se referindo ao desfile de outono-inverno de 2018/2019, quando Gucci usou pela primeira vez a técnica de cabeça como bolsa. Então a modelo Yuniya Pakhomova abriu o show com uma cópia de sua cabeça loira platinada. E em maio de 2019, Michele fez isso com Leto. E apesar do igualmente luxuoso vestido vermelho e do colar de cristal, era difícil desviar o olhar da cabeça do músico: no final das contas, Alessandro criou outro par de lindos olhos azuis.

“A decisão de fazer uma cabeça foi tomada em cima da hora e mal tivemos tempo de terminá-la. Toda a imagem é um processo incrivelmente complexo, nos bastidores existe uma equipe fantástica. Trabalhamos juntos para fazer uma pequena obra de arte. Foi divertido criar essa fantasia e ficamos felizes em compartilhar o resultado com o mundo”, diz Leto. De acordo com Jared, a fabricação de seu principal “acessório” levou cerca de um mês, o que mostrou um resultado impressionante.

Vale ressaltar que a criação do restante da imagem foi um processo mais longo, com muitas nuances e discussões. Dado o envolvimento de Leto, parece que ele está prestes a se enraizar na moda e lançar sua própria marca. Embora Jared viva com o princípio de “nunca diga nunca”, ele ainda admite que tem muitos outros projetos com os quais está ocupado atualmente. Um dos mais ambiciosos é a próxima turnê europeia.

As apresentações de verão na Europa fazem parte do Monolith Tour, no qual é suporte ao quinto álbum de estúdio chamado America, lançado no ano passado. Como muitos artistas em 2018, Thirty Seconds To Mars sentiu-se obrigado a criar uma versão politicamente carregada inspirada no atual clima de fúria nos Estados Unidos. “O álbum é dedicado ao sonho americano, um país onde existe o bom, o ruim, o feio. Também é sobre crescer nos Estados Unidos. Este é um álbum muito pessoal, mas ao mesmo tempo muito político”, diz Leto. Além do disco, a banda também lançou um documentário, que estreou no Tribeca Film Festival deste ano.

Em 4 de julho, Dia da Independência, Leto enviou 92 equipes de filmagem a todos os 50 estados para capturar Um Dia na Vida da America. Filmado em 24 horas, ele recebeu vídeos inspiradores, provocantes, lindos e incríveis. “Criamos um filme apolítico que olha profundamente e com firmeza neste país no meio de um momento muito importante para nós”. Quando perguntado por que era importante fazer tal projeto, ele respondeu: “Apesar do fato de que essas são músicas sobre a America, seus problemas ferem e animam as pessoas ao redor do mundo”.

A esse respeito, o fato de a Monolith Tour, que dura mais de um ano terminar este verão na Europa, parece muito simbólica. “Esta é uma turnê, esse verão é uma espécie de despedida. Provavelmente não voltaremos à Europa por muito tempo. Então será ótimo ver todos de novo e se despedir no dia 17 de julho no festival Upark em Kiev.”

O músico visitou Kiev várias vezes e não perdeu a oportunidade de explorar a cidade. Ele foi visto em vários pontos, de Maidan a Ilha Trukhanov. “Eu amo Kiev. É um lugar muito criativo. Aqui, tenho uma sensação muito interessante toda vez que venho aqui e me impressiona incrivelmente. Também estou entusiasmado com o fato de virmos a Kiev pela última vez – pelo menos por agora, para nos despedirmos e dizermos o quanto valorizamos e gostamos da Ucrânia. Será uma noite especial.”

Texto: Marina Shulikina

ATENÇÃO: A CÓPIA TOTAL OU PARCIAL DESTE ARTIGO É TERMINANTEMENTE PROIBIDA.

Fonte: Vogue.ua

Publicado por Bianca em 08/ago/2019

COMENTÁRIOS