Jared é capa da revista alemã Musik Express, Ed. Outubro

Jared é capa da revista alemã Musik Express, Ed. de outubro o qual traz shoots exclusivas e também uma breve entrevista. A tradução para o português foi feita com muita dificuldade pela nossa equipe, se houver algum erro ou algo incoerente, peço que nos perdoem pois a língua nativa do artigo é o alemão. Confira abaixo:


JARED LETO

É improvável que haja outra pessoa que seja tão bem sucedida como ator e músico. Desde a década de 90 trabalhou com diretores como David Fincher e Oliver Stone. A situação com o grupo 30 Seconds to Mars também é bem sucedida. No início, era uma banda indie modesta. Agora eles estão enchendo estádios.

Ele é um dos mais talentosos de Hollywood. Tendo interpretado filmes como “Fight Club”, “American Psycho” e “Requiem For A Dream”, ele aborda atrevidamente papéis complexos: em “Dallas Buyers Club”, contracenou com Matthew McConaughey, interpretando uma transsexual infectada pelo HIV. Futuramente, vamos vê-lo na sequência de “Blade Runner”. (a entrevista foi realizada antes da estreia do filme). Musicalmente, espera-se o quinto álbum de sua banda – 30 Seconds to Mars, que está atualmente em uma turnê promocional. Na noite anterior à entrevista, ele surpreendeu o público com uma performance no VMA com a ajuda de câmeras térmicas. Além de sua carreira bem sucedida como ator e cantor, Jared Leto se destaca por sua poderosa mania de moda.

Musik Express Style: O que você está vestindo agora?

Jared: Camiseta e jeans.

M: Não é Gucci?

JL: Não, não é.

M: Isso provavelmente é incomum para você? Basicamente vive com Gucci. Você não usa mais nada.

JL: Espere um pouco… Tenho um acordo com eles. São parceiros de negócios. Além disso, eu entendo perfeitamente o Alessandro Michele, diretor criativo. Ele é uma pessoa muito simpática, muito cordial e atenta. Nós rimos muito juntos. Ele está no meu coração.

M: Do ponto de vista estético, parece que você segue a mesma onda que eles.

JL: Sim, verdade. Na Gucci, eles provavelmente estão muito felizes em trabalhar comigo. Porque eu uso coisas que os outros acham loucura. Isso me dá prazer. Como ontem no tapete vermelho. Eu estava vestindo um manto de paetê. Bem, por que não? Quanto ao código de vestimenta, até recentemente o guarda-roupa dos homens em tais eventos era muito limitado. Graças a Gucci, agora tenho mais oportunidades. Isso também se aplica ao meu guarda-roupa nos palcos. Lá eu gosto de usar roupas soltas para relaxar, é mais prático. Posso me mover livremente.

M: O tema da fluidez de gênero é relevante para você?

JL: Eu nem quero dar muita importância a isso. Assim, há alguns anos, por causa destas roupas, alguns meios de comunicação foram atacados com fortes críticas. Relaxe: você pode se vestir do jeito que você gosta. O principal é como você se sente com isso. No final, são apenas as roupas. Este é o mínimo que pode ser alcançado. Como você faz outras decisões sérias na vida se você não pode vestir-se como quer?

M: Na década de 90, você atuou na série “My So-Called Life”, que ainda é considerado um importante começo de sua carreira até hoje. Isso aconteceu com sua equipe?

JL: Em geral, não. Mas, se sim, então é melhor ainda. Uma conquista maior é alcançada por aqueles que são esforçados a lutar pela divulgação de sua personalidade. Portanto, os verdadeiros heróis para mim são aqueles que ousaram falar sobre isso em nossa sociedade. Um amigo me disse recentemente que ele planeja uma operação de mudança de sexo. Não foi fácil para ele. Considero-o corajoso. Às vezes, subestimamos a coragem dessas pessoas.

M: Acho que devemos falar um pouco sobre sua música. Você trabalhou quatro anos e meio no novo álbum. Em “Walk On Water”, seu novo single, tem as seguintes frases: “A extrema direita, a visão da esquerda”. O novo 30 Seconds To Mars está politizado?

JL: É Apenas uma música sobre o tempo em que vivemos. Uma música sobre mudança e luta por coisas em que você acredita. Este é o nosso comentário sobre o que está acontecendo na sociedade. “Walk On Water” é muito inspirado pela música gospel. Esta música é sobre o estado deplorável da sociedade e da política.

M: Qual tema complexo é mais fácil de expressar – música ou moda?

JL: Com a música é mais fácil. Pelo menos quando você escreve as letras. Assim como um designer interage com o mundo exterior. Alguns designers de moda são muito bons nisso. Nas suas coleções, expressam o movimento do nosso tempo. No final, trata-se de criatividade. Na moda ou na música – a auto-expressão desempenha um determinado papel.

Fonte: Musik Express Magazine

Jared Leto "

Share
Publicado por Bianca em 21/dez/2017

COMENTÁRIOS

%d blogueiros gostam disto: