Jared Leto é capa da GQ sul-africana

Mais uma edição da revista GQ com Jared na capa. A Ed. de novembro sul-africana traz uma entrevista exclusiva com o Jared e informações sobre a campanha da Gucci Guilty. Confira a entrevista traduzida pela nossa equipe seguido das scans em nossa galeria.


 The Great Shape Sifter (O Grande Metamorfo – tradução livre)

Jared Leto fala sobre fazer um filme subversivo para a Gucci na mágica cidade de Veneza.

GQ: Qual a história por trás do filme #GuiltyNotGuilty para a nova fragrância da Gucci?

Jared Leto: É o conto de duas mulheres e um homem, eu, que embarca em uma aventura experimental em uma das cidades mais mágicas do mundo – Veneza, Itália. Uma cidade com uma história que é preenchida com romance e intriga. Uma cidade impossível, sabe, uma cidade literalmente construída sobre a água com uma magia realista que você sente quando adentra nela. Acho que essas três pessoas estão inspiradas em captar essa magia que eles sentiram. Isso tem um senso de mistério. Há um pouco de história entre essas três pessoas e nós os seguimos com suas aventuras, suas experiências pela noite que a cidade desdobra.

GQ: Esse tipo de campanha é nova na indústria da beleza. Como você acha que as pessoas irão reagir à isso?

JL: Não tenho ideia de como as pessoas irão reagir. Quero dizer, espero que apreciem o que fizemos. Espero que tenham uma experiência, que o filme os leve para um lugar que não foram antes ou um lugar que desejam ir. Ou talvez um lugar que tenham ido mas que queiram visitar novamente. Acho que o filme quebra algumas regras e adquire alguns riscos e elas se divertem em fazer parte disso. Acho que isso rompe de alguma forma para explorar a sensualidade e a sexualidade, e isso é surreal. Não é sua típica e preenchida campanha de fragrância, sabe, com takes bonitos um atrás do outro. Um take de estúdio muito rígido. É muito cinemático. Muito sugestivo em termos de narração com um toque surreal. É feito como os filmes icônicos como 1900 ou Último Tango Em Paris de Bernardo Bertolucci – filmes subversivos – filmes que desafiam as expectativas que o público pode ter tido e filmes que ultrapassa os limites em termos de sexualidade e identidade. É muito atraente e acho que eles estão fazendo um trabalho formidável. Estou realmente grato por ser capaz de fazer parte disso.

GQ: A história acontece em Veneza. Como essa paisagem aumentou a narrativa?

JL: Sempre tive um amor real por essa cidade e eu passei algumas noites explorando as ruas de Veneza e há uma história aqui também. Uma história libertina. História de pessoas que vão para lugares para encontrar e explorar partes de si mesmos que talvez eles não encontrem em outros lugares. Veneza é a cidade que te permite meio que explorar, descobrir e redefinir quem você é, e acho que esse é o lugar perfeito para essa história. Essas duas mulheres e esse homem que vão para essa aventura, essa experiência, essa jornada mágica juntos.

GQ: Você relaciona-se com o personagem que está interpretando: quem é ele?

JL: Bem, temos que trazer um pouco da história aqui sobre o quão divertido seria se um dia você acordasse e dissessem que você herdou esse palácio em Veneza. Essa fortaleza sob a água, como seria e como você poderia vir à uma cidade como essa para redescobrir e redefinir quem você é… Esse é um jeito realmente divertido de pensar sobre isso. E se? Quais as possibilidades aqui? Acho que essas três pessoas no filme estão abertas às possibilidades. Estão abertas para ideias e não estão com medo de conhecer lados diferentes de si mesmos também. Então eu acho que há muita intriga aqui e eu estou curioso para ver o que as pessoas levam disso.

GQ: O que te atraiu para o projeto? Por que você assinou para ser o rosto da campanha da nova fragrância da Gucci?

JL: Alessandro Michele (Diretor Criativo da Gucci) me atraiu para o projeto. Nos conhecemos… Tudo aconteceu de forma orgânica. Alessandro e eu passamos um tempo juntos. Nos conhecemos. Isso não foi algo que realmente estava me nossas mentes quando nos conhecemos. Passamos um tempo juntos em Los Angeles e eu já tinha ciência de quem ele era e tive um profundo respeito por seu trabalho e o que ele estava fazendo, o que era muito explosivo. Sabe, mesmo alguém como eu consegue ver a genialidade no que ele faz e a beleza no que ele cria. Então acho que nos conectamos a tal ponto e conversamos, não pela mesma linguagem, conversamos com uma linguagem criativa similar e familiar e nos demos tão bem que meio que conduziu a isso, o que é ótimo. Uma forma realmente divertida e especial para algo como isso acontecer. Todos foram incríveis. Foi muito divertido fazer parte disso. É apenas um grupo pequeno de pessoas tentando fazer algo que eles realmente se orgulham. Algo diferente. Algo criativo e divertido e que tenha chance, sabe, tem sido ótimo até agora.

GQ: Como foi trabalhar com Alessandro Michele nessa campanha?

JL: Trabalhar com ele é maravilhoso. Estou orgulhoso de chamá-lo de amigo e me sinto muito confortável. Acho que todo mundo está muito à vontade porque, sabe, quando você decidiu tomar alguns riscos, apenas siga seu instinto. Você realmente não está de acordo com o script. Você está ouvindo a si mesmo, seu instinto e acho que todo mundo é realmente confidente nisso, e é realmente divertido. Todos nós tivemos bons tempos e acho que isso acabou nas câmeras. As experiências que tivemos. Acho que conseguimos apreciar isso e tivemos algumas vantagens da linda localização como Veneza. É tudo questão de adição. Tudo o que esse filme é, foi adicionado.


Questionário rápido.

Culpado ou não culpado?

Culpado, é claro. Quero dizer, qual é cara! É uma pergunta engraçada porque você está ferrado de qualquer forma.

Escuro ou claro?

Escuro.

Homem ou mulher?

Tenho que dizer mulher. Eu amo as mulheres. Sabe, tem duas lindas mulheres nesse filme. Vera e Julia e elas são fantásticas. Elas trabalharam duro, foram doces e aguentaram muita maluquice de um ator muito louco, um músico, um cara louco… Elas foram ótimas e eu diria as mulheres.

Máscara ou sem máscara?

Depende de qual hora da noite seja. Máscara ou sem máscara? Dadas as minhas circunstâncias, provavelmente eu diria com máscara.

Online ou Offline?

Offline, sim!

Anoitecer ou amanhecer?

Eu amo o anoitecer. É um dos meus momentos favoritos do dia. Quando as cores desaparecem e viram contorno (silhueta)… Eu amo isso.

Facebook ou snapchat?

Bom, sou parcialmente snapchat. É a revolução e estou feliz em fazer parte disso.


Confira as scans em nossa galeria:

Jared Leto Jared Leto Jared Leto

Scans » 2016 » GQ Sul=africana
Share
Publicado por Bianca em 28/out/2016

COMENTÁRIOS

%d blogueiros gostam disto: