Parabéns, America! O quinto álbum de estúdio do Mars comemora 2 anos

O bem-sucedido quinto álbum de estúdio do Thirty Seconds To Mars está comemorando dois anos de seu lançamento!

Aqui organizamos algumas curiosidades e alcances desse álbum que foi sucesso em alguns países e fez o Mars alcançar um público maior por conta da sua flexibilização de gênero.

America – quinto álbum de estúdio do Thirty Seconds To Mars

America é o quinto álbum de estúdio de Thirty Seconds to Mars, lançado neste mesmo dia, em 6 de abril do ano de 2018 pela Interscope Records. Este álbum é o recomeço da banda por ter sido lançado através de uma nova gravadora depois do fim de seu longo contrato com a EMI rompido em 2014, além de trazer consigo uma nova Era. Foi o primeiro álbum em cinco anos, depois de Love, Lust, Faith and Dreams (2013), foi também o último álbum com a participação do guitarrista de longa data da banda Tomo Miličević, que deixou a banda dois meses após seu lançamento.

Produzido pelo vocalista Jared Leto ao lado de Yellow Claw, Zedd, Robopop e outros produtores renomados, o álbum representa uma mudança drástica do que os fãs costumavam ver em seus álbuns anteriores, como dito acima, este álbum representa uma nova Era, optando por um som mais eletrônico e pop influenciado pela arte. Nas letras das canções, observa-se temas como política, amor e existencialidade. 

O America contém três hits de sucesso – Walk on Water, Dangerous Night e Rescue Me.

O álbum recebeu críticas polarizadas e alguns elogiaram os temas conceituais, enquanto outros sentiram que não estavam totalmente desenvolvidos; isso também aconteceu ao estabelecerem alguma crítica sobre a mudança de som da banda, o que vem acontecendo ao longo da carreira do Mars desde seu primeiro álbum, mas não é nada que possa abalar sua arte. Após o seu lançamento, a America estreou no número dois na Billboard 200 dos EUA, tornando-se a maior estreia da banda nesta parada, e alcançou o top 5 em vários outras paradas importantes na indústria e países.

Bem-vindo à nova Era

A Thirty Seconds to Mars lançou seu quarto álbum de estúdio Love, Lust, Faith and Dreams em maio de 2013. Este álbum foi produzido pelo vocalista Jared Leto e pelo produtor Steve Lillywhite, marcou uma mudança na direção musical da banda de um som de rock alternativo, reconhecido com os álbuns A Beautiful Lie (2005) e This Is War (2009), para um som mais experimental e com influência eletrônica. A banda saiu Virgin Records (EMI) em 2014 após anos tumultuados com a gravadora, assinando com a Interscope logo depois.

O ano é 2015, e iniciaram os preparativos para as novas músicas do então novo álbum que ainda não tinha nome. Nas redes sociais e entrevistas, Jared expressava seu desejo de experimentar e explorar novos campos musicais. Além disso, ele começou a trabalhar no documentário A Day in the Life of America, que foi concebido como uma peça que acompanharia o quinto álbum da banda. O documentário inclui footages e gravações enviadas por pessoas do mundo inteiro sobre o 4 de julho, tudo foi feito neste único dia em 2017, representando o Dia da Independência dos Estados Unidos. Ele foi exibido no Tribeca Film Festival em 2019 mas permanece sem data de lançamento oficial, desde o dia que Jared mostrou os bastidores desse projeto. Em seguida, o Mars embarcou em uma turnê promocional com Muse e PVRIS, que foi uma das maior bilheterias de turnê norte-americana e mais rentáveis de 2017, de acordo com a Pollstar ‘  – gráfico anual de turnê de fim de ano. Você pode relembrar toda essa trajetória no Moments que fizemos em nosso twitter clicando AQUI.

Durante essa turnê, Mars anunciou Walk on Water como o single principal do então novo álbum. Os críticos reconheceram uma pequena vantagem política nas letras da música, inspirada nas eleiçãos para presidente dos Estados Unidos que acontecia naquele ano. A música rendeu à banda mais um MTV Europe Music Award de melhor banda alternativa. Enquanto fazia seu discurso com o prêmio, Jared fez uma pequena observação sobre a política de imigração estabelecida por indo totalmente contra os princípios iniciais de quem a estabelece, no caso o Trump (que ganhou as eleições para presidente) o qual impede a entrada de imigrantes de determinados países nos EUA, ao declarar o seguinte: “Somos americanos – uma terra de imigrantes – e queremos apenas dizer que recebemos a todos de braços e coração abertos, nós te amamos.”.

O America foi anunciado pela primeira vez em fevereiro de 2018, até então sem nome, juntamente com parte da turnê pela América do Norte – The Monolith Tour depois que anunciaram esta turnê pela Europa. Os ingressos para a turnê, junto com os ingressos foram vendidos uma cópia antecipada do quinto álbum, a ser entregue após o seu lançamento em 6 de abril de 2018. 

O America foi lançado oficialmente pela Interscope Records em 22 de março de 2018 com uma campanha publicitária em outdoors e pôsteres reproduzindo a direção de arte e o design do álbum. Os outdoors estavam em todas as partes em locais importantes, como o Sunset Boulevard, em Los Angeles, na Times Square em Nova York e fora de várias estações de metrô de Londres, além de cartazes espalhados por toda a paulista também e centro de São Paulo. Uma sessão de escuta exclusiva para a mídia do álbum aconteceu em 3 de abril no Hall da Fama e Museu do Rock and Roll, em Cleveland.

Em 22 de agosto de 2017, antes mesmo do álbum ser anunciado, a Interscope lançou o primeiro hit de estreia dele, intitulada Walk on Water  como o single principal. A música foi tocada ao vivo pela primeira vez no MTV Video Music Awards de 2017 em 27 de agosto com Travis Scott como convidado surpresa especial. Foi um marco na carreira do Thirty Seconds To Mars pois foi a primeira vez que a banda se apresentou no evento que lhe rendeu muitos prêmios durante sua trajetória.

Um lyricvideo da música estreou no Vevo em 8 de novembro de 2017, com footages do documentário A Day in the Life of America. Walk on Water foi tema promocional da ESPN para a cobertura da rede da temporada de futebol universitário de 2017, bem como a Volkswagen utilizou o sample da música na divulgação do lançamento de sua nova linha de carros.

Dangerous Night foi o segundo single do álbum, lançado em 25 de janeiro de 2018, depois de estrear no programa de rádio de Zane Lowe, Beats 1, em Londres e foi apresentada ao vivo no mesmo dia de lançamento no The Late Show com Stephen Colbert. Sua performance foi filmada através do uso de câmeras robóticas avançadas, que mudam de frame de acordo com as batidas da música, bem como uma dança interpretativa. Nicholas Rice, da Billboard, elogiou o desempenho da banda, seu visual e chamando-o de “único”.

Rescue Me foi lançado como o terceiro single em 15 de junho de 2018. E com ele temos o primeiro videoclipe oficial da nova Era, que estreou três dias antes. Em 27 de maio de 2018, a banda se juntou ao palco por Shawn Mendes para tocar a música no Biggest Weekend da BBC Music.

A direção de arte e o design do álbum foram feitos pelo renomado Willo Perron e pelo próprio Jared Leto. O America apresenta várias capas com uma variedade de listas que refletem os temas do álbum, incluindo os medicamentos mais prescritos, nomes americanos mais procurados, marcas comerciais mais valiosas, posições sexuais populares, agências mais reconhecíveis, esportes mais perigosos, YouTubers e modelos mais bem pagas, dentre outros tópicos importantes. A banda, na época, também lançou um gerador de capa de álbum personalizado, permitindo que fãs criassem suas próprias listas personalizadas no formato da América. Leto explicou: “Para mim, as listas são quase como uma cápsula do tempo. Independentemente, elas podem surpreender, entreter ou provocar, mas como um grupo, elas nos dão uma noção da cultura da qual fazemos parte e da época em que estamos vivendo”.

Muitos críticos elogiaram o conceitual do álbum, enquanto outros acreditavam que tal conceito fosse subjacente e não estava totalmente desenvolvido. Os críticos também debateram a mudança no som da banda, como esperado. O Metacritic atribui uma classificação normalizada de 100 às críticas principais, o álbum tem uma pontuação média de 47 baseado em quatro críticas, indicando estar entre “críticas mistas ou médias”. Neil Z. Yeung da AllMusic, descreveu a America como uma “jogada ousada e arriscada” da banda, chamando-a de “vasta e polarizadora” igual os EUA depois do álbum receber esse nome, baseado no país de origem da banda. Katie Wattendorf do O Cavalier Daily, deu uma crítica positiva, elogiando o conceito do álbum e chamando-o de “tão diverso quanto o próprio país”. Ela comentou que o álbum aborda a história recente nos Estados Unidos e não apenas “mencionando o clima político, a violência ou a aquisição da tecnologia – mas propondo uma solução individual através das diferenças, coesão através da variedade”. Aneta Grulichova da revista The Music, premiou o álbum com quatro estrelas em cinco e elogiou a mudança estilística da banda, observando que o disco incorpora um som mais suave e elementos do techno, o que vem sendo muito feito por outras bandas alternativas ultimamente.

Al Shipley da Spin’s que deu ao álbum uma revisão mista, sentiu que a energia e o volume encontrado no estilo atual da banda foi substituída por ‘batidas bastante repetitivas e programadas em sintetizadores sinistras’, embora ele tenha elogiado a música ‘Rider’, descrevendo-a como ‘um raro vislumbre de Mars, disposto a subverter as expectativas’. Ambos – Q e Kerrang! deu ao America uma crítica mista, Q chamou o álbum de “sutil, importante e nem metade do que imagina ser”, enquanto a Kerrang! o chamou de “um álbum estranho, que exige paciência para ser desvendado”. Em uma revisão de quatro estrelas e meia, escreveu que o álbum funciona como uma “conversa sobre o estado atual dos EUA e sua cultura” sem fazer declarações políticas extremas, e elogiou a diversidade musical, escrevendo que a banda “atingiu o ouro com seu estilo de escavação experimental”.

Top das paradas principais

O America foi o primeiro álbum da banda a fazê-la ter um alcance jamais conseguido, nem mesmo com o A Beautiful Lie, que foi o álbum mais vendido e rentável do Mars até então. A obra fez com que a banda alcançasse um novo nicho de fãs, trazendo ainda mais diversidade para a sua base. Uma prova disso está nos gráficos, A Thirty Seconds To Mas com o America alcançou o primeiro lugar dos principais gráficos no mundo da música deixando bandas que bateram recordes para trás como Imagine Dragons, Shawn Mendes, dentre outros.

O America conseguiu atingir o primeiro lugar no Top Alternative Albums Top Rock Albums e da Billboard, alcançou o segundo lugar da Billboard 200 fazendo com que a banda batesse seu primeiro recorde de lançamento. O America foi disco de ouro na Alemanha, Rússia, Áustria e Austrália. O single Walk On Water ainda é sucesso e vem recebendo cada vez mais certificação pela RIAA.

Ver essa foto no Instagram

WOOOO!!! “Walk On Water” went Gold. Congrats to the squad 🙌🔥

Uma publicação compartilhada por Stevie Aiello (@stevieaiello) em

Podemos encerrar esse artigo com muito orgulho pelo America ter sido o experimento musical do Mars e ter dado muito certo dadas as circunstâncias atuais, e o álbum continua sendo a descoberta certeira do público para a descoberta dessa banda maravilhosa que encanta a todos com sua arte, seja pelas suas canções, pelas suas artes, ou até mesmo pela cativação dos membros.

ATENÇÃO: A CÓPIA TOTAL OU PARCIAL DESTE ARTIGO É TERMINANTEMENTE PROIBIDA.

Fonte: Billboard Alternative Rock Album, Billboard Top Rock Album, RIAA e Thirty Seconds To Mars.

Share
Publicado por Bianca em 06/abr/2020

COMENTÁRIOS

%d blogueiros gostam disto: