Entrevista EW: Jared disse que ia raspar a cabeça para interpretar Paolo Gucci

Jared concedeu uma entrevista exclusiva ao EW sobre suas transformações cinematográficas para assumir personagens que, na maioria das vezes, passam por grandes mudanças que Jared chega desaparecer por trás de papéis marcantes. Confira a tradução feita por nossa equipe:

Como as muitas faces de Jared Leto encontraram um lar na Casa da Gucci

O ator vencedor do Oscar conta à EW que quase chorou no último dia filmando a saga do crime de Ridley Scott com Lady Gaga e Adam Driver – e explica como sua carreira transformadora o levou até lá.

Passeando por uma extensão de vegetação parisiense no início de outubro está Jared Leto, e a castanha que ele acabou de pegar é atualmente a coisa mais fascinante do mundo para ele.

“Isso é tão bom”, diz Leto, o ator vencedor do Oscar, que certa vez se vestiu com uma prótese facial para interpretar um homem de 118 anos, lutou contra o Batman enquanto usava cabelo verde e perdeu 18 quilos para interpretar uma mulher trans, e agora pausa inocentemente nossa entrevista em vídeo para nos mostrar sua descoberta comestível. “Só em Paris você tem castanhas caindo do céu.”

Há uma simplicidade chocante em seu interesse por uma coisa tão pequena – especialmente quando ele está cercado por uma das cidades mais bonitas do mundo banhada pela luz outonal. Mas Leto é conhecido por seguir sua própria curiosidade além do óbvio, extraindo o máximo de lugares inesperados.

Até agora, você já ouviu as histórias. Quando Leto se transforma para um filme, a performance nem sempre termina quando a câmera para de rodar. O ato de se tornar um novo personagem é difícil para ele articular, mas ele considera seu dever devotar todo o seu ser ao processo. “É exatamente no que estou interessado”, diz ele, citando atores que “não têm medo de sangrar”, como Peter Sellers e Daniel Day-Lewis. “Quando você assume esse tipo de compromisso, algo acontece. Você é compelido a cavar ainda mais fundo, a trabalhar ainda mais, a descobrir algo mais gratificante e rico.”

Ele ganhou o luxo de fazer essas descobertas em sua própria linha do tempo: Leto assumiu apenas cinco papéis principais nos últimos 10 anos, resistindo a compromissos, a menos que eles falem com sua alma. Em seguida, ele desaparecerá em seu papel talvez mais irreconhecível, no drama real de crime de Ridley Scott,  House of Gucci (lançará em 24 de novembro). A calvice, as próteses faciais e as roupas chamativas que ele veste como o ex-chefe de design da marca de luxo, Paolo Gucci, assumem o controle em um mergulho profundo e chocante, consistente com muitos de seus personagens na última década: O Jared que você ganha não é o Jared você vê chegando – isto é, se você ao menos ver o Jared.

Leto não percebeu na época, mas o primeiro passo na preparação para interpretar Gucci veio 16 anos atrás no set de Lonely Hearts, onde ele passou horas arrancando cabelos de sua cabeça para ficar calvo o suficiente para bancar o serial killer Raymond Fernandez. Foi uma decisão “brutal” que acabou não dando certo, ele admite, embora Leto inicialmente quisesse tentar novamente na criação da cúpula sem pêlos da Gucci “Eu ia raspar minha cabeça”. A praticidade o atrapalhava, então ele usou um escalpo falso para completar sua metamorfose na família que, como ele, sofria por sua arte. Cobrir o rosto com próteses ainda causa medo em Leto, que teve uma experiência claustrofóbica ao fazer um molde para o rosto machucado de seu personagem no final do Clube da Luta de 1999. Ainda era atraente o suficiente para o ator ficar ousado.

“Eu imediatamente vi [Paolo] como um sonhador, a ovelha negra de sua família, alguém que nunca realmente ouviram falar”, diz Leto. Ele sentiu uma “conexão imediata” com Gucci, que foi contratado (e demitido) por seu pai e por seu tio. Sua história se envolve em uma narrativa ainda mais complicada de uma família atormentada por amargas lutas internas, quando seu primo Maurizio é finalmente assassinado por um assassino contratado pela ex-mulher de Maurizio, Patrizia Reggiani.

Apesar do tom sombrio, Leto ouviu seu instinto e ampliou “muito humor” ao interpretar com forte sotaque e terno roxo. Trabalhando com a figurinista ganhadora do Oscar Janty Yates, Leto defendeu que o guarda-roupa de Paolo “celebra a cor” por meio de padrões e tecidos extremos de Nápoles; ele também passava por horas de maquiagem todos os dias. Ele ficou tão envolvido na produção que teve que lutar contra as lágrimas no momento em que Scott abraçou Leto em seu último dia.

“Tive sucesso em segurá-los”, admite ele. “Eu não queria envergonhar todo o set, mas foi uma experiência realmente calorosa e maravilhosa – colaborativa, criativa, cheia de riscos e recompensas, simplesmente incrivelmente especial.”

A corrida para a Gucci é um contraste gritante com a época em que ele se preparava para assassinar um Beatle. Leto ganhou 37 kilos para interpretar Mark David Chapman, o homem que atirou em John Lennon, em Capítulo 27 de 2008. É um filme sobre obsessão e compulsão, às quais Leto sucumbiu enquanto crescia, empanturrando-se de porcaria ​​e bebendo litros de sorvete derretido no micro-ondas misturado com azeite de oliva e molho de soja para se inchar ainda mais (o que, ele revelou mais tarde, que lhe rendeu a gota).

“Não é uma coisa boa para se fazer com o seu corpo”, diz ele, mas foi útil sair em público com uma atitude ameaçadora, estranho o suficiente para que as pessoas “recuassem” dele. “Era um material muito sombrio, numa época em que me interessava por esse tipo de coisa”, lembra ele. “Essas experiências foram informativas [para mim] como ser humano, nem mesmo apenas como artista.”

Leto se afastou do cinema por quase seis anos após o Capítulo 27, viajando com sua banda, Thirty Seconds to Mars, até que leu o roteiro do Dallas Buyers Club, que apresentou outra oportunidade de desaparecer – mesmo no set. “Eles só viram uma pessoa lá e certamente não era Jared Leto”, lembra ele da produção, na qual ele perdeu 18 kilos e depilou o corpo, passando o tempo dentro e fora do set vestindo as mesmas roupas que Rayon, a mulher trans HIV positiva que ele interpretou. “Eu estava em um lugar muito frágil e muito vulnerável.”

Ele também se lembra de ter ido à uma loja vestido como Rayon, alimentando o personagem com as reações que recebia de estranhos. “Isso muda a maneira como você anda, fala e se move”, diz Leto, que também canalizou experiências pessoais próximas com pessoas que morreram de AIDS para a persona de Rayon. “Senti que era meu dever fazer tudo o que pudesse para adicionar o máximo de verdade ao papel que fosse humanamente possível.”

Uma vitória do Oscar depois, é justo dizer que tudo o que Leto fez funcionou. Mas às vezes suas táticas são mais indiretas. Sobre seus preparativos para interpretar o Coringa no blockbuster Suicide Squad de David Ayer, Leto diz: “99,9% do que as pessoas lêem são mentira —.” Depois que ele disse a um repórter brincando – que ele enviou às co-estrelas Will Smith e Margot Robbie presentes questionáveis ​​para adicionar uma sensação de caos, a citação se tornou viral. “Os únicos presentes que dei a Margot foram cupcakes, acho que dei a ela um rato (VIVO), e alguns dos outros caras ganharam presentes que você ganharia de piada em uma festa”, diz ele. “Estávamos apenas brincando.”

Técnicas à parte, como alguém cujo papel de destaque foi o sonhador Jordan Catalano no drama adolescente dos anos 90 My So-Called Life, é interessante que Leto tenha se sentido tão atraído por partes que ocultam suas feições. Um ex-estudante de arte, ele vê o ato de esculpir sua aparência como uma ferramenta vital, mesmo que as mudanças não sejam imediatamente perceptíveis – como sua virada em 2021 como um assassino suspeito ao lado de Denzel Washington em Os Pequenos Vestígios. Leto confirma que fez ajustes na fisicalidade do personagem – tudo, desde a cor dos olhos até os dentes e o formato do nariz – embora tenha o cuidado de não revelar detalhes.

“Sutileza é o mais difícil”, diz o ator. “O silêncio é a nota mais importante que você pode tocar. Somos todos feitos dessas nuances. Não quero revelar todos os meus segredos – tenho que guardar alguns para mim.” E continuaremos tentando descobrir tudo, onde quer que a próxima castanha caia.

Fonte: EW

Publicado por Bianca em 23/nov/2021

COMENTÁRIOS

%d blogueiros gostam disto: