Entrevista: Jared fala sobre Morbius e The Little Things com a Variety

Em dezembro, Jared concedeu uma entrevista de 40 minutos com a Variety a qual ele falou sobre seus projetos para 2021, as novidades que virão nas telas e outras coisas bastante interessantes relacionadas ao seu trabalho. Traduzimos exclusivamente em pt-br na íntegra. Abaixo ouça o podcast e em seguida a tradução.

Entrevista do Jared para a Variety

O vencedor do Oscar Jared Leto credita seu sucesso na indústria do entretenimento a vários fatores – um por ser teimoso. “Tive muita sorte e fui muito teimoso”, revelou ele no Variety ’s Awards Circuit Podcast. “Acho que, eventualmente, as pessoas ficam tipo, ‘OK, bem, tudo bem. Ele está aqui, podemos muito bem deixá-lo ficar um pouco.’”. Leto, que também faz sucesso no cenário musical com sua banda 30 Seconds to Mars, discute seu papel em “The Little Things”, também se ele tem resoluções para o ano novo, fala sobre o Mars Island, seu papel em “Morbius” e se veremos seu Coringa novamente. 

“The Little Things” é estrelado por Denzel Washington e Rami Malek como detetives que tentam rastrear um assassino em série em uma pequena cidade. Leto interpreta Albert Sparma, um cidadão local que pode ou não ser o assassino. Leto admitiu que inicialmente não estava interessado no projeto.

JARED SOBRE THE LITTLE THINGS“Achei que já havia explorado muito esse território, estava na hora de novas aventuras”, disse ele. Mas uma conversa com o roteirista e diretor John Lee Hancock mudou sua opinião. “Eu meio que me apaixonei por aquele cara. Quer dizer, ele é uma pessoa incrível. E estou com Denzel Washington e Rami Malek e John Lee Hancock; Pensei: ‘Como recusar fazer parte desta oportunidade incrível?’ E estou muito feliz por ter feito isso. Porque foi uma aventura. Inicialmente eu não estava interessado no projeto. Eu adoro aquele filme com o Michael Keaton (Fome de Poder), virei um grande fã do Hancock depois disso, eu o (Keaton) acho incrível no filme. Apenas não pude negar.”.

JARED SOBRE MARS ISLAND – “É um mini festival, basicamente um final de semana igual o coachella na Croácia, só que menor. Temos yoga, esportes, shows, interação com os fãs. É uma ilha pequena onde interajo com todo mundo e ofereço atividades conjunta junto a banda e crew.”.

JARED SOBRE SEU PRIMEIRO TRABALHO NO ENTRETENIMENTO“Meu primeiro trabalho foi como pintor, porque sempre quis ser pintor, amo arte, amo esculturas e então entrei para uma escola de arte. A música sempre esteve na minha vida, toco desde criança com meu irmão, ele é baterista. Durante a escola de arte eu me apaixonei pela atuação, então troquei de curso e fui fazer cinema para me tornar diretor, comecei a atuar inicialmente porque pensei que se eu fosse ator, mais tarde eu conseguiria trabalho como diretor. Fiquei motivado por isso. É difícil ser diretor, porque você tem uma série de equipamentos e atividades para executar, diretor não somente filma, ele faz todo o seu projeto sair do papel, dá vida a ele. É meio intenso. Isso se tornou algo grande na minha vida. Não separo as coisas, eu amo criar, amo fazer essas coisas, amo tudo o que faço.”

A entrevistadora disse que é grata por jared ser fã do Keaton porque gostaria de ver o Batman dele com o joker do Jared, ele ri e diz “Seria divertido. Ele é o melhor, é nosso batman favorito. É um ótimo ator, beetlejuice, birdman, ele é gigante.”.

JARED SOBRE O JOKER“Existem poucos personagens que você interpreta que não têm absolutamente nenhuma regra que você pode simplesmente ir para a sociedade.”, disse ele sobre o papel icônico da DC. “Sparma me lembra um pouco desse personagem também porque ele é um pouco fora da caixa. Ele é alguém que diz tudo o que pensa, basicamente. E ele sempre é surpreendente. Ele é muito brincalhão. E eu também o achei muito engraçado. É difícil dizer não para o Coringa, existem personagens que não tem regras e essa energia é tão legal. Eu me diverti com ambos. Sparma pode ser um cara bom ou mau, mas é um cara divertido!”.

COMO SE PREPAROU PARA O PAPEL“Eu não quis simplesmente parecer como ‘sou o cara mau.’, quis explorar um território novo, fazer algo diferente e o objetivo era exatamente esse. O jeito que ele anda, que ele fala, foi um incrível processo de transformação, não sei se posso falar isso mas coloquei um nariz falso, lentes castanhas e prótese nos dentes também, coisas mínimas que mudam um personagem pra fazer as pessoas pensarem ‘quem é esse cara estranho’. Eu meio que me apaixonei por esse cara estranho, é meio como jogar um jogo, foi realmente divertido e intenso também, teve muito trabalho para trazer esse cara a vida. Seu senso de humor, ter empatia, todas essas coisas. John sempre esteve aberto para novas ideias.”.

SOBRE O QUE ELE GOSTA E NÃO GOSTA NOS DIRETORES DE CINEMA“Amo andar em um set sentir que estou protegido não importa o que, gosto dos diretores que tem esse senso de que os atores podem errar um pouco e está tudo bem, porque é importante falhar, faz parte do aprendizado, do processo de crescimento. Eu gosto de diretores sensíveis, brilhantes e preparados. Pessoas que realmente cofiam nas decisões dos atores.“.

SOBRE DAVID FINCHER“Ele é bem-humarado, eu amo trabalhar com ele, o amo como pessoa, eu me diverti muito com ele. É uma das ótimas pessoas para trabalhar nesse ramo, como Denzel, trabalhar com ele é uma honra, eu aprendi muito assistindo-o atuar, sua bravura, comprometimento, ele é o mestre da atuação. Criativo em um modo geral.”

Mesmo depois de ganhar o Oscar por seu papel em “Dallas Buyers Club”, Leto diz que ainda pode ser intimidado por seus colegas de elenco, incluindo Washington. “Se ele entra na sala, ainda é ‘Denzel Washington’ para mim. Não é tipo, ‘Ei, e aí, Denzel.’ Sabe, ele é o ‘Sr. Washington’”, brincou Leto. “Tenho muito respeito pelo que ele faz. Não é fácil fazer o que ele fez. E o que ele fez em cada filme é simplesmente incrível, até mesmo os filmes que não são bons, ele continua sendo ótimo e isso é realmente difícil. Se você é bom em um filme ruim, você automaticamente acaba sendo ruim também, mas Denzel continua sendo ótimo, para mim ele é esse modelo do que as coisas podem ser e fazer, ele trabalha o tempo todo, ele coloca muito de si nisso. Ele é incrível. Me lembro da primeira cena que tive com ele, eu tive esse pequeno gesto com os olhos e ele tava lá comigo, eu não esperava que ele fosse sorrir pra mim, eu meio que ‘Yeah! É isso aí, cara.’, ele é o melhor. Denzel é hilário, há uma razão por ter uma carreira consistente assim, e é essa. Quando você trabalha com alguém assim você precisa estar super preparado, tipo saber sua cor preferida. Há muitas coisas acontecendo, eu me lembro de aborda-lo perto do carro e estava cantarolando em algum ponto do filme que eu não me lembro qual, mas era aquela música ‘somewhere over the rainbow…’ ou algo assim, ele se virou e apontou a arma para mim, isso não estava no script mas nós seguimos com isso, até dançando juntos, foi incrível. No filme somos gato e rato, vai te levar para um novo território e eu gosto disso.”.

PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DE ALBERT SPARMA“Albert é um cara com um emprego operário, ele é engraçado mas ele não se socializa, ele vive nas sombras. É um solitário. Sua obsessão em se atrever sempre que pode, ele é um cara complicado, foi difícil construir esse personagem, mas me diverti com ele. Eu investi muito para trazê-lo a vida. Existia escuridão para executar tudo, houve um momento em que eu estava lendo muitos desses casos de arquivos mortos e visitando lugares escuros na internet para estudar Albert. Foi um personagem que demandou muito da minha atenção, tive muita experimento. Muito diálogo, muitas escolhas, muitas coisas que trouxe para mim e para a cena em geral, porque é assim que Albert interage com pessoas, ele é inesperado.”.

Desempenhar tal papel exigiu muita pesquisa da parte de Leto para ir a alguns lugares sombrios. Conhecido por mergulhar profundamente em seus papéis – ele ganhou 30 kilos para interpretar Mark David Chapman em “Chapter 27”. Ele diz “Nunca farei isso novamente, não é algo bom para com seu corpo. É uma grande transformação mas não é bom.”.

SOBRE SER UM ATOR METÓDICO“Agradeço o termo, acho um pouco confuso a definição. E também pode ser muito pretensioso. Eu estava pensando nisso, mas acho que o meu trabalho é apenas fazer o melhor que posso fazer, com o diretor, com os roteiristas, atores, seja quem for. É meu trabalho aparecer e fazer o que está ao meu alcance para entregar. Também é meu trabalho aparecer e, sabe, ‘será um prazer trabalhar com ele’. Ser colaborativo, ter uma boa experiência no set, facilitar o trabalho alheio, isso é o mais importante para mim. Eu só quero aparecer e ser um bom companheiro para todo mundo. Nunca levei meu comprometido dessa forma ou vice-versa. Eu não acho que faria um bom trabalho se ficasse brincando ou rindo antes de interpretar esses tipos de personagens mas também é porque eu faço mais o tipo de filme dramático. Se estivesse fazendo uma comédia romântica eu me divertiria, talvez eu fizesse o contrário do que estou acostumado, algo bonito e divertido por aí. Metódico é meio que uma palavra suja, eu entendo o termo, todo mundo tem um método, vemos diferentes atores com seus métodos, eu faço apenas o melhor que eu posso.”.

SOBRE MORBIUS“Estou muito ansioso para mostrar para o mundo, não é só mais um personagem da Marvel, é algo novo. Eu o adoro, ele é um gênio, e um doutor que se chama Dr. Michael Morbius, que tem uma doença sanguínea e está morrendo, e tenta achar a cura para essa doença, ele acha a cura e faz um experimento que não dá certo, o transforma em outra coisa. Eu acho que será um ótimo filme. É uma história de Jekyll e Hyde que é simplesmente ótima e divertida, e às vezes um pouco assustadora, o que é, eu acho, diferente para esse gênero. E estou animado.”

SOBRE ZACK SNYDER E SUA PARTICIPAÇÃO EM JUSTICE LEAGUE“Eu vi os rumores também (sobre reprisar o papel do Coringa em Justice League). Eu posso ter filmado algo com Zack, talvez não, mas eu o amo. Ele é um individualista e um diretor incrível. Nós nos damos muito bem, temos uma ótima química e estou ansioso para trabalhar com ele novamente no futuro. Temos muito o que compensar.”.

SOBRE DAVID AYER E SUA VERSÃO DE SUICIDE SQUAD“Eu adoraria que ele conseguisse fazer o filme dos seus sonhos. É tão difícil fazer esses filmes porque você tem muita pressão dos produtores e do estúdio. Eu o entendo e tenho certeza que ele possa usar isso e continuar a se aprofundar em seus personagens. Albert é um personagem divertido que não vemos muito. Essas pequenas coisas dos personagens são tão divertidas de descobrir, eu realmente gosto dos detalhes.”.

SOBRE VER TODOS OS JOKERS JUNTOS EM UM FILME – “Vão me trancar num armário depois disso, mas seria muito divertido se acontecesse.”

A TRADUÇÃO PARA O PORTUGUÊS DESTA ENTREVISTA É PROPRIEDADE DA EQUIPE JARED LETO BRASIL, SE REPOSTAR, POR FAVOR NOS DEÊM OS CRÉDITOS, É UM TRABALHO QUE DEMANDA TEMPO E DISPOSIÇÃO E GOSTARÍAMOS QUE RESPEITASSE, OBRIGADO.

Fonte: Variety

Publicado por Bianca em 21/jan/2021

COMENTÁRIOS

%d blogueiros gostam disto: